terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Viva a liberdade de expressão

A propósito dos casamentos homossexuais, o professor Jonatas Machado da Plataforma Cidadania e Casamento foi ouvido esta tarde na comissão parlamentar de assuntos constitucionais. Não resisto a partilhar algumas pérolas:

óbvio que se se legalizar o casamento ninguém morre, assim como ninguem morre quando começa a fumar ou a beber...portanto ninguem morre nesse momento mas há certas coisas que podem fazer mal aos indivíduos e às sociedades. "

"Há mais de 20 orientações sexuais: a bissexualidade, a zoofilia, etc, tambem são orientações sexuais. Quando se diz que a homossexualidade é uma orientação sexual pode-se perguntar mas porque é que só esta é que deve ser considerada de forma especial, há tantas outras..."

O professor de direito constitucional citou tambem estudos sociológicos que garantem que "as relações homossexuais tendem a ser mais promíscuas do que as heterossexuais, mais violentas e mais instáveis."

E antecipou ainda conflitos sociais :"pessoas que têm restaurantes etc e não querem servir banquetes para casamentos homossexuais..."


PS Está esclarecido o mal-entendido com o outro blog

9 comentários:

Anónimo disse...

olha outra!

queres liberdade? vai para moscovo.

comunas para a Sibéria.

A nonimus BM

Carlos BL disse...

Caros carteiros, imagino que a única razão que vos leva a não activar a moderação de comentários é não quererem passar a ideia censura. Mas a presença regular de um pateta nos comentários do vosso blog também maça os leitores que apreciam o vosso trabalho. As pessoas inteligentes sabem distinguir censura de filtragem. Façam-nos o favorzinho, sim? E continuem o bom trabalho!

Carlos BL

O Ardina - Jornalismo Transversal disse...

São as palavars de um professor de direito. Constitucional, ainda por cima. Se fosse professor de "torto" e "inconstitucional", o que mudaria este articulista?...Presumo que apenas os substantivos e adjectivos que usa....
- "Sempre escreveste o artigo, Janatas?.
- Escrevi.
- E que substantivação e adjectivação usaste, Jonatas?...
- Oh mulher, usei uns eufemismos, sabes que eu sou uma pessoa moderada..."

Gonçalo Pestana disse...

Esse blog já se retractou (e aliás não acussava a autora deste texto de plágio, denunciava-a como plagiada).
Não lhe ficaria mal fazer o mesmo...

Shyznogud disse...

Cara Susana, afinal fiz mal em retractar-me, repare q não era a si q acusava de plágio mas à autora da desta notícia http://diario.iol.pt/sociedade/casamento-gay-parlamento-jonatas-machado-refer-tvi24-ultimas-noticias/1138108-4071.html . Qdo a Susana apareceu, tão alvoraçada, nem confirmei o nome, achei logo q era qm eu acusava de plágio e, repare bem no q escrevi, é exactamente o contrário.

Maria João Pires

P.S. - Para a próxima sigo mesmo os meus instintos ;-)

MJP

Susana Barros disse...

Maria João, foi mesmo um mal-entendido. Espero que continue a visitar o correio preto :)

Shyznogud disse...

Claro q continuo e estas confusões até fazem bem, eheh da próxima vez seremos as 2 mais cuidadosas a ler.

Sara_Marques disse...

Maria João, ainda bem que admite não ter sido cuidadosa na leitura, mas recomendo que da próxima vez, antes de fazer uma acusação tão grave e séria com plágio, leia atentamente os dois textos em causa. Os textos são sobre o mesmo tema? Sim, são. Se o citado nos textos é o mesmo? Sim, é. Mas como poderá ver se se der ao trabalho de ler os dois textos, eles não são iguais, não são cópia um do outro.
Ao contrário do que possa pensar, na audição parlamentar não era permitida apenas a presença de jornalistas da Antena 1. As autoras, tanto da peça publicada no tvi24.pt e no PortugalDiário, como do post do Correio Preto, estiveram sentadas lado a lado nessa audição parlamentar. E se não me engana a memória estavam presentes 5 ou 6 jornalistas nessa audição, nos quais me incluo.
Essa acusação infundada de plágio, que considero muito séria e grave, visa o meu bom nome como jornalista, e é falsa, injusta e difamatória. Admite que a escreveu com base nos seus "instintos". Parece-me que será preciso mais do que isso.

Sara Marques

O Ardina - Jornalismo Transversal disse...

Oh minhas senhoras!...Casem-se, canudo, isso é amor do avesso. Vocês estão a fazer-me lembrar a protagonista d'"O meu caso" (José Régio). Afinal Vcs já ecreveram 425 vezes uma à outra sobre o cuido, tu és cuidadosa, ela tem cuidado, Mas E O TEMA DO "POST", é importante ou mero pretexto?...