sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Oportunismo epistolar

Ainda a propósito da carta enviada por Luís Amado a pretexto da discussão no PE sobre os voos da CIA, mais um detalhe que diz muito sobre o despropósito da iniciativa, tanto em relação à forma, como ao conteúdo.

A carta, dirigida ao presidente do PE, tem a data de 16 de Fevereiro, segunda-feira. E deu entrada no gabinete de Poettering apenas na quarta-feira, dia 18.

Mas, no dia anterior, a missiva já andava a circular entre os socialistas europeus, por cortesia de Edite Estrela (que não me espantaria muito que fosse o cérebro por detrás de tão genial operação).

E foi decisiva para o debate que teve lugar no grupo na quarta-feira de manhã, servindo de argumento a Estrela e a outros portugueses habitualmente discretos, mas que fizeram questão de sair em defesa de Amado e da Pátria (consta que o tempo para discutir a questão da CIA era de apenas meia hora, quase esgotado por meia dúzia de socialistas portugueses que se limitaram a repetir uns aos outros), e também ao presidente do grupo, esse portento de coerência que é o alemão Martin Schultz.

Ou seja, os socialistas portugueses do PE devem ter convencido Amado a escrever a carta a Poettering, apenas para a divulgarem de forma despudorada mesmo antes de o destinatário a receber e a poderem usar no debate interno do grupo.

Com os resultados que se conhecem. Durão Barroso agradece e os eurodeputados do PSD, que não tiveram que mexer um dedo para limpar a imagem do ex-líder, também.

2 comentários:

Anónimo disse...

Cérebro? Mas tu consegues ver algum cérebro por detrás desta operação?

MG

DR disse...

deve ser a minha fé inabalável na natureza humana.