quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Eu é que sou o presidente da agenda

No dia em que Manuela Ferreira Leite tinha marcado uma entrevista à RTP, José Sócrates lançou uma mini "bomba atómica": nacionalizou o BPN. Isto num domingo. Ao que parece a medida não poderia ser mais retardada. Resultado: eclipsou a entrevista da líder do PSD e hoje ninguém se lembra do que Manuela Ferreira Leite disse.
No sábado, em pleno congresso do PCP, José Sócrates convocou os professores socialistas para um debate/sessão de esclarecimento/puxão de orelhas para a sede do PS. Resultado: à noite e no dia a seguir, a liturgia comunista passou para o segundo plano político.
Hoje, os professores estão em greve em todo o país. José Sócrates convocou os representantes da indústria automóvel para anunciar apoios. E até aposto que, ao contrário do que é habitual nos encontros na residência oficial do primeiro-ministro, José Sócrates vai fazer umas declarações aos jornalistas. Só ainda não sei o que pretende anunciar para disfarçar a greve dos professores.

3 comentários:

aviador disse...

Essa da reunião com os professores socialista ofuscar o Congresso do Pc parece um bocado forçada.
Mas fica bem na "economia" do Post.
Ou o Emídio não fosse um bom jornalista!

Emídio Fernando disse...

Pois é. Basta ver a atenção que os jornais diários, no dia a seguir, deram ao congresso e à reunião do PS. O ocngresso até teve direito a única página par. Para quem é jornalista, percebe o que isto quer dizer.

samartaime disse...

E para alguns que não são jornalistas a página par tem idêntica leitura. Emídio Fernando tem razão.

Relativamente à feira do Rato,propriamente dita, «estamos conversados».