segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Uma Festa de contradições

Quem visitou a Festa do Avante, que decorreu neste domingo, não pode acreditar nas ferozes críticas comunistas à situação do país: em crise, dizem eles, com gente a passar fome. Só se for no resto do país, menos na Atalaia. Em tempos da tal crise apregoada, os preços praticados pelo PCP eram assustadores. Um simples pratinho, em versão reduzida, comido no chão e servido em caixas de plásticos, custava o mesmo que uma refeição completa num restaurante médio e servida à mesa. A tradicional imperial rivalizava com os preços usados em hotéis. A feira do livro tinha tinha os ditos mais caros ou ao mesmo preço de uma livraria. Havia DVDs a cinco e 10 euros, mesmo que tenham custado, nas promoções do jornal "Público" uns 1,95 euros.
O PCP pode argumentar que a Festa serve de fonte de receita. E é e ainda bem para o PCP. Mas é bem capaz de haver um exagero na recolha da dita receita. Ou então, o PCP, bem no seu íntimo, acredita que o país não está assim tão em crise.
No mapa das contradições, há outras que chocam. Ter na Festa um "stand" do MPLA é o mesmo que ter um do PS ou do PSD. Basta aliás ler a nova Constituição de Angola, aprovada pelo mesmo MPLA, para se perceber que, há muito, o partido governamental angolano é liberal, com uma ideologia a milhares quilómetros/luz do que o PCP diz defender. A História e o passado não justificam manter um "casamento" falso. É para isso que servem as rupturas, que só poderiam reforçar alguma coerência. O que também não se percebe o MPLA estar enfileirado com o partido da Coreia do Norte. Enfim, opções, entre outras, que fazem da Festa, uma festa (também) de contradições.

9 comentários:

Luís Lavoura disse...

"é bem capaz de haver um exagero na recolha da dita receita"

Não há exagero nenhum: o mercado é que dita se há exagero ou não. Se as pessoas que vão à Festa continuam a comprar, mesmo com tais preços, é porque, por definição, os preços não são exagerados. Só serão exagerados quando as pessoas deixarem de comprar.

Luís Lavoura disse...

"gente a passar fome"

Essa gente não vai à Festa do Avante. O facto de haver gente que passa fome não implica que não haja muita outra gente que passa abundante fartura. É essa última que vai à Festa.

Luís Lavoura disse...

"o partido governamental angolano é liberal"

!!!

A sociedade angolana é largamente ditatorial e cleptocrática. E fazer negócios em Angola é tudo menos transparente, não-corrupto, não burocrático, livre. Para se fazer negócios em Angola tem que se ter relações. Isso não é nada liberal.

Se o MPLA é liberal, então não leva a sua ideologia à prática.

Anónimo disse...

O MPLA é membro da Internacional Socialista, tal como o PAICV e a FRELIMO.

Emídio Fernando disse...

Caro Luís, a nova constituição de Angola dedica duas alíneas à educação, duas à saúde e três à habitação: no pouco texto não consta a palavra "gratuitidade" nem "gratuito". E, de resto, o art. 38 diz o seguinte: 1 - A iniciativa económica privada é livre, sendo exercida com respeito pela Constituição e pela lei.
2. A todos é reconhecido o direito à livre iniciativa empresarial e cooperativa, a exercer nos termos da lei.
Bem se isto é próximo do PCP, vou ali e já venho.

Anónimo disse...

Meu Caro certamente não é cliente habitual dos ditos festivais de verão, pobres caricaturas em organização e higiene quando comparadas com a Festa do Avante (nessas a ASAE não fiscaliza?).

Emídio Fernando disse...

Não, não sou cliente desses festivais. Mas sei que, por lá, não há discursos políticos, comícios a palavras de ordem pelos recintos. No Avante há: a clamarem que o país está em crise e há fome (se o PCP acreditasse nisso não praticaria aqueles preços, certamente); e que os ricos estão cada vez mais ricos e os pobres mais pobres. E o PCP convida o MPLA. Faz sentido. Nem reparei se a Frelimo estava presente, mas também faria sentido. Afinal, aquelas mortes e revoltas em Moçambique só aconteceram por que o povo anda feliz.

vasco disse...

A contradição é a mais humana das circunstâncias. Não percebo o espanto. Nem o post, para ser franco. É um género de esfera, sem ponta por onde pegar.

Nuno Coelho disse...

Engraçado. Vi preços diferentes na Festa do Avante! e até cheguei a almoçar por 3,80. Havendo alguns exagerados a maioria não me pareceram assim tão caros.
Quanto aos festivais, qualquer um cobra mais por muito menos.